sábado, 20 de agosto de 2016

LIÇÃO 08 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS - 3º TRIMESTRE/2016

A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
Texto Áureo Jo. 3.5 – Leitura Bíblica Dn. Jo. 3.1-16



INTRODUÇÃO
Na aula de hoje estudaremos a respeito da evangelização dos grupos religiosos. Essa não é uma tarefa fácil, considerando que cada religião pressupõe deter a verdade divina. Diante dessa realidade, destacaremos, inicialmente, os (des)caminhos da religião, ressaltando que essas, na medida em que tenta aproximar o ser humano de Deus, também dEle se distancia. Em seguida, mostraremos que nem todas as religiões levam a Deus, conforme pressupõe o pluralismo pós-moderno, e que a evangelização dos religiosos é um desafio do qual a igreja não poderá fugir.

1. OS (DES)CAMINHOS DA RELIGIÃO
A palavra religião vem do verbo latino religare – que aponta para a tentativa de se ligar à divindade. Nesse sentido, toda religião é uma empreitada humana, mais ou menos como aquela da construção da torre de Babel, a fim de encontrar uma alternativa ao caminho de Deus (Gn. 11). O pressuposto da religião é que essa detém o oráculo, isto é, a revelação da divindade. As religiões, com base em seus fundamentos, afirmam que podem conduzir o ser humano à transcendência. Existem posicionamentos distintos no contexto da pós-modernidade em relação ao papel da religião. Os materialistas defendem que essa serve apenas para alienar as pessoas da realidade, sobretudo da opressão daqueles que estão empoderados. Para outros, mais idealistas, a religião tem seu papel na sociedade, há aqueles que a abordam a partir de uma perspectiva pragmática – sua utilidade social, até os mais entusiastas, que argumentam que qualquer religião é um caminho para a transcendência. Uma análise ponderada da religião precisará considerar que nem todas as religiões são iguais. Com base em uma perspectiva antropológica, as religiões são construtos culturais, resultantes das impressões que uma comunidade tem sobre a vida e a morte. Nesse sentido, podemos afirmar que todas elas são diferentes, nenhuma pode ser assumida como se fosse superior a outra. No entanto, mesmo entre os cientistas religiosos, há discordância sobre a função das várias religiões. Há os que defendem que algumas são predominantemente violentas, enquanto outras são mais pacifistas. Mas é preciso avaliar os casos individualmente isso porque há religiões que servem apenas para justificar interesses econômicos. A religiosidade humana, enquanto fenômeno científico, é bastante complexa, e deve ser avaliada com base em critérios definidos, a fim de evitar generalizações indevidas. 

2. NEM TODAS AS RELIGIÕES LEVAM A DEUS
A partir de uma perspectiva bíblica, nem todas as religiões conduzem o ser humano a Deus. Desde a Antiga Aliança se reconheceu que há religiões danosas à sociedade. Entre os deuses estranhos, adorados pelos povos antigos, existiam aqueles que exigiam sacrifícios de crianças, como o deus-moloque (Lv. 18.21; Jr. 32.35). Por esse motivo, os evangélicos defendem que “nem todos os caminhos levam a Roma”, considerando que determinadas religiões levam à promiscuidade sexual (Os. 9.10), bem como a práticas abomináveis perante Deus (Nm. 25). Por isso, devemos assumir que há pessoas que ao invés de adorarem a Deus estão adorando aos ídolos (I Co. 10.20,21). Se existem religiões que são falsas, existe, por assim dizer, uma que é verdadeira, e a esse respeito escreveu Tiago: “A religião pura e imaculada para com Deus e Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo” (Tg 1.27). O termo grego usado pelo apóstolo é threskeía, e que significa mais do que uma religião, diz respeito à adoração a Deus. Nesse sentido, a verdadeira espiritualidade tem a ver não apenas com um conjunto de dogmas, mas principalmente com uma prática de vida voltada para os outros, sobretudo aos mais pobres. Evidentemente Tiago se refere à religião judaico-cristã, que deveria se fundamentar não apenas na fé teórica, mas é uma fé prática, demonstrada em boas obras (Tg. 2.17). Para esse fim, faz-se necessário destacar que a fé cristã está fundamentada tanto em uma doutrina correta (ortodoxia) quanto em prática correta (ortopraxia). O fundamento da revelação cristã é que todos pecaram, por isso estão destituídos da glória de Deus (Rm. 3.23), que o salário do pecado é a morte (Rm. 6.23), demandando das pessoas arrependimentos dos seus pecados (At. 2.38). É preciso também enfatizar que Deus amou o mundo de uma maneira tal que enviou Seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nEle crê não seja condenado, mas tenha vida eterna (Jo. 3.16). Esse é o Caminho providenciado por Deus, o próprio Cristo, que é O Caminho, a Verdade e a Vida (Jo. 14.6). Ao contrário do que se costuma afirmar, Deus não é exclusivista, antes inclusivista, na pois decidiu conduzir os pecadores à salvação, não por meio das obras humanas (Ef. 2.8,9), mas através da fé na graça de Deus.

3. O DESAFIO DE EVANGELIZAR GRUPOS RELIGIOSOS
Esse é justamente o problema da religião, pois nega o plano salvador de Deus, e defende que as pessoas são salvas – ou conduzidas a Deus – por meio dos seus méritos. Se quisermos saber identificar a veracidade ou falsidade de uma religião, devemos fazer a pergunta que o próprio Jesus fez: que dizem os homens ao meu respeito? (Mt. 16.17). Para algumas religiões Jesus não passa de um grande iniciador religioso, uma espécie de profeta enviado, ou mesmo um deus menor. Essa declaração não corresponde à revelação bíblica, que ressalta a divindade de Jesus, por meio do Qual todas as coisas foram criadas (Jo. 1.1-3). Ele é o Salvador do mundo, somente Ele, e não outro, é a Verdade, o Único Mediador entre Deus e os homens (I Tm. 2.5), o Único Nome pelo qual importa que as pessoas sejam salvas (At. 4.12). Existem religiões com muitos intermediários, e que se firmam em divindades mediadoras, que servem como meio de relação entre o homem e Deus. Contudo essas religiões são contrárias à Palavra de Deus, pois pretendem ter outros caminhos para chegar a Deus. Há aqueles que acreditam que o homem pode se aproximar da divindade por causa dos seus esforços, tendo inclusive os que argumento a favor da existência de um estágio de (de)gradação espiritual, dependo das realizações durante a vida. O texto bíblico, no entanto, é enfático ao declarar que depois da morte segue-se a juízo (Hb. 9.27). A religião, por causa dos fardos que impõe às pessoas, acaba servindo de impedimento para que os pecadores se aproximem de Deus (Mt. 23). Por isso, ao evangelizar os religiosos, devemos mostrar a simplicidade do evangelho, destacando o valor da graça maravilhosa que se manifestou em Cristo (Tt. 2.11).

CONCLUSÃO
Os grupos religiosos também precisam ser alcançados pelo evangelho – as boas novas – de Jesus Cristo. Há várias pessoas que estão carregando o fardo pesado da religiosidade, tentando chegar a Deus através dos seus méritos – as más notícias impostas pela religiosidade humana. A esses devemos declarar, com amor, graça e misericórdia, que Jesus os chama para conduzi-los ao Seu rebanho (Jo. 10.14). Aqueles que estão cansados e sobrecarregados – das regras e normas que os afastam de Deus - poderão encontrar descanso no Senhor, pois o jugo de Jesus é suave, e o Seu fardo é leve (Mt. 11.28).

                                      Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

BIBLIOGRAFIA
ANDRADE, C. de. O desafio da evangelização. Rio de Janeiro: CPAD, 2016.
BÍCEGO, V. Manual de Evangelismo. Rio de Janeiro: CPAD, 2015.