sexta-feira, 28 de agosto de 2015

LIÇÃO 09 - A CORRUPÇÃO DOS ÚLTIMOS DIAS - 3º TRIMESTRE/2015

A CORRUPÇÃO DOS ÚLTIMOS DIAS
                              Texto Áureo  II Pe.. 2.12  – Leitura Bíblica  I Tm. 3.1-16



INTRODUÇÃO
Nesta seção da II Epístola a Timóteo, Paulo alerta a igreja em relação à corrupção dos últimos dias dentro e fora da igreja. Na aula de hoje veremos que esses, de acordo com o Apóstolo, serão tempos trabalhosos. Por isso, precisamos ter referenciais que apontem para Paulo, principalmente Cristo, nosso modelo por excelência. Ao final da lição nos voltaremos para a utilidade das Escrituras, enquanto norma de fé e prática, com vistas à salvação, maturidade espiritual e apologética.

1. OS TEMPOS TRABALHOSOS
Paulo alerta o jovem Timóteo em relação aos tempos difíceis que sobreviriam sobre a igreja nos últimos dias (II Tm. 3.1). Esse período se refere ao tempo que antecede ao arrebatamento da igreja, a respeito do qual Paulo discorreu em I Ts. 4.13-17. O adjetivo grego chalepos, traduzido por difícil, significa que serão  tempos “difíceis de suportar”, isto é, não será fácil enfrenta-los. De certo modo, nos tempos de Paulo, e certamente nos dias atuais, experimentamos essa condição. As pessoas se caracterizam pelo comportamento egoísta, marcado pelos interesses próprios, e desrespeito a lei de Deus (Rm. 8.7). Em seguida Paulo descreve o comportamento mau dos homens dos últimos dias: amantes de si mesmos e inimigos de Deus. A palavra amor aparece quatro nas dezenove expressões descritas pelo Apóstolo. É uma demonstração que o amor das pessoas, nesses dias difíceis, estará direcionado para elas mesmas. Isso será percebido pelas atitudes de avareza, jactância, arrogância e blasfêmia (II Tm. 3.2). Além disso, elas serão desafeiçoadas, implacáveis, caluniadoras, sem domínio de si, cruéis, inimigas do bem, traidoras, atrevidas, enfatuadas, antes amigas dos prazeres do que de Deus (II Tm. 3.3,4). Esse é um mostruário da situação na qual estamos vivendo, as pessoas são extremamente hedonistas, a busca pelo prazer tornou-se a condição primordial da existência. Isso as coloca em uma posição degradante, na medida em que, por não amarem a Deus, também não amam ao próximo, contrariando o mandamento do Senhor (Mc. 12.28-34). O descaso em relação ao outros nos preocupa, estamos assistindo, nesses últimos dias, uma coisificação da pessoa humana. Existem até aqueles que aparentam piedade, mas não passam de sepulcros caiados, estão cheios de hipocrisia e vaidade (Mt. 23.25).

2. PAULO, UM OBREIRO EXEMPLAR
Os falsos mestres que  estavam na igreja de Éfeso eram tão perigosos, de modo que a aproximação deles se constituía em situação de risco, o melhor seria manter distância (II Tm. 3.5,6; I Co. 5.9-12). Isso porque eles eram proselitistas, não se conformavam em seguir o engano sozinhos, queriam conduzir outros após eles (II Tm. 3.6-9). Como Janes e Jambres, os mágicos da corte de Faraó, que se opuseram a Moisés, se utilizam de sofismas para levar ao erro (Ex. 7.11). Paulo orienta Timóteo a seguir outro caminho, recorre à expressão: “tu, porém” (II Tm. 3.10). Os obreiros verdadeiros vivem no “porém” de Deus, isto é, não se deixam levar pelas correntezas do engano. Eles seguem os exemplos que são dignos de serem imitados, e Paulo certamente é um desses, no procedimento, propósito, fé, longanimidade, amor, perseverança, perseguições e sofrimentos. Paulo expressou seu exemplo de vida aos Filipenses: “Irmãos, sede imitadores meus e observai os que andam segundo o modelo que tendes em nós” (Fp. 3.17). Não que Paulo estivesse se gloriando, seu objetivo era fazer distinção entre sua motivação, e a dos falsos mestres que se infiltraram em Éfeso. Os cristãos são chamados para serem diferentes no mundo, eles estão em uma fôrma diferente, são guiados pela vontade de Deus (Rm. 12.1,2). Paulo repete o “porém”, a fim de que Timóteo, e nós também, permaneçamos naquilo que aprendemos, e fomos inteirados, sabendo de quem aprendemos. Os obreiros, e a igreja em geral, não devem fazer concessões da Palavra de Deus, substituindo-a por pensamentos humanos. É preciso ter cuidado quando se busca uma formação acadêmica, as tendências universitárias seguem o materialismo. A psicologia moderna desconsidera os postulados bíblicos, quer explicar os comportamentos humanos a partir de uma matriz meramente cultural. Muitos pastores, influenciados por essas filosofias, estão desconsiderando os ensinamentos da Palavra de Deus. Nenhum conhecimento humano pode substituir a mensagem contundente das Sagradas Escrituras.  Devemos permanecer naquilo que ouvimos de Cristo, desde o princípio (II Jo. 9 I Jo. 2.24).

3. A UTILIDADE DA PALAVRA DE DEUS
Os falsos mestres de Éfeso se envolviam em questões loucas, tratavam de assuntos dos quais não tinham fundamento. Isso ainda acontece atualmente, há supostos mestres nas igrejas que querem levantam temas sem qualquer respaldo bíblico. Alguns debates assemelham-se às controvérsias da igreja medieval, nas quais os estudiosos queriam calcular quantos anjos cabiam na cabeça de um alfinete. Ao invés de nos envolvermos com essas questiúnculas, que a ninguém edificam, e servem apenas para insuflar o ego, devemos nos dedicar ao estudo da  Bíblia. As Escrituras são inspiradas por Deus, no grego o termo é theopneustos, cujo significado é o de “soprada por Deus, através do Seu Espírito”. Isso mostra que a Bíblia não é apenas livros de homens, é a Palavra revelada de Deus (II Tm. 3.16; II Pe. 1.21). Essa inspiração foi plenária, diz respeito a sua totalidade; e verbal, abrange as palavras registradas pelos escritores. Isso, por outro lado, não fundamenta a defesa de uma teoria do ditado verbal, além disso, Deus respeitou os estilos de cada escritor. A inspiração das Escrituras tem o propósito de edificar a igreja, o objetivo delas é o ensino no contexto eclesiástico, para que o homem e a mulher de Deus estejam aptos a fazer a obra de Deus com Sua aprovação. Inicialmente elas nos tornam sábios para a salvação, e esse é o principal propósito das Escrituras, conduzir as pessoas ao conhecimento da verdade em Cristo, o Salvador. Depois disso, promover a maturidade espiritual, na medida em que o estudo dedicado se realiza. E quando necessário, a Palavra de Deus tem função apologética, ela se opõe ao erro, e mostra  o caminho correto, a sã doutrina (II Tm. 3.17). Não devemos nos distanciar da utilidade das Escrituras, o termo grego é ophelimos, e diz respeito a algo que realmente é vantajoso. Isso quer dizer que as discussões dos falsos mestres, além de serem improdutivas, eram extremamente desvantajosas.

CONCLUSÃO
Estamos vivenciando os tempos difíceis a respeito dos quais tratou Paulo em sua II Epístola a Timóteo. Nós, os cristãos deste século, devemos viver no “porém” de Deus, em conformidade com Sua Palavra, não segundo o curso deste mundo (Rm. 12.1,2). Para isso, devemos permanecer naquilo que aprendemos, e fomos inteirados através do ensino e exemplo de homens e mulheres de Deus. A Escritura deve continuar sendo nossa regra de fé e prática, não podemos fazer concessões em relação à norma que vem de Deus, reconhecendo que essa é útil para a salvação, maturidade e apologética.

Autor: Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

BIBLIOGRAFIA
HENDRIKSEN, W. 1 e 2 Timóteo e TitoSão Paulo: Cultura Cristã, 2011.
WEIRSBE, W. W. Be faithful: 1 & 2 Timothy, Titus and Philemon. Colorado Springs: David C.