sábado, 8 de agosto de 2015

LIÇÃO 06 - CONSELHOS GERAIS - 3º TRIMESTRE/2015

CONSELHOS GERAIS
                          Texto Áureo  At. 20.26  – Leitura Bíblica  I Tm. 5.17-6.9-10



INTRODUÇÃO
Após instruir Timóteo em relação aos falsos mestres, Paulo dá alguns conselhos sobre o ministério cristão. Na aula de hoje meditaremos a respeito dos conselhos dados pelo Apóstolo com vistas à melhoria dos relacionamentos no contexto eclesiástico. Conforme veremos, isso envolve, entre outros assuntos, a relação entre patrão e empregado, bem como o cuidado financeiro do rebanho com o seu pastor, ainda que esse não deva depositar sua confiança nas riquezas.

1. O MINISTÉRIO CRISTÃO
A igreja deve permanecer atenta quanto ao sustento dos seus presbíteros, para tanto é preciso reconhecer que digno é o obreiro do seu salário. Os obreiros que tinham dedicação em tempo integral deveriam ser remunerados, aqueles que administravam bem, e se dedicavam à Palavra e à doutrina, seriam dignos de duplicados honorários (I Tm. 5.17). Os presbíteros devem ser aptos a ensinar, na verdade essa é uma das qualificações exigidas para esse ministério (I Tm. 3.2). Depreendemos que os presbíteros eram eminentemente supervisores da obra, mas alguns também se dedicavam ao ensino. É importante que tenhamos ministros que se esmeram no magistério eclesiástico (Rm. 12.7). Uma igreja que não valoriza os seus mestres está fadada a trilhar o caminho das falsas doutrinas. Essa valorização tem a ver com remuneração, especialmente àqueles que dependem totalmente do ministério, pois não se  deve privar o sustento ao boi que debulha (I Tm. 5.18). Os presbíteros também devem ter tratamento diferenciados, inicialmente que tenham vidas dedicadas a Deus, vigiem e orem para não caírem em pecado (Mt. 26.41). No caso de qualquer acusação contra eles, deve-se ter cuidado para não julgar antecipadamente, testemunhas confiáveis devem ser ouvidas (I Tm. 5.19). Se o pecado for comprovado, esse deve ser repreendido publicamente, a fim de que sirva de instrução para os demais, para que não venham a cometer o mesmo erro (I Tm. 5.20). Toda cautela é necessária, evitando, assim, que o obreiro seja injustamente acusado, e que não haja parcialidade (I Tm. 5.21). A imposição de mãos, em I Tm. 5.22, não se refere à consagração, mas a disciplina dos presbíteros. Com essa orientação o Apóstolo demonstra sensatez diante da necessidade da disciplina, ao mesmo tempo em que favorece a possibilidade de restauração do obreiro. Em seguida recomenda a Timóteo quanto à ingestão de um pouco de vinho, por razões medicinais, considerando que essa era uma prática comum na antiguidade (I Tm. 5.23). Na medicina antiga o vinho era prescrito, a fim de evitar problemas gástricos. Ninguém deve assumir esse recomendação como doutrinária, trata-se de uma orientação específica para Timóteo.

2. A RELAÇÃO PATRÕES E EMPREGADOS
Relacionamentos saudáveis são extremamente importantes para o bem estar da igreja. Por isso Paulo dá alguns conselhos sobre o trato entre patrões e empregados. A fé cristã sempre valorizou o trabalho, reconhecendo que esse é uma benção de Deus, uma possibilidade para glorificá-LO. O Deus que também trabalha espera que os seus servos façam tudo para glória dEle, não apenas para agradar a homens. Qualquer tipo de trabalho, contanto que seja lícito, é uma oportunidade para revelar nosso compromisso com Deus (Cl. 3.22,23). Por isso os servos devem estimar seus senhores, evitando que o nome de Deus, seja blasfemado (I Tm. 6.1). Como o cristão não trabalha apenas para homens, deve ser um empregado dedicado, não roubando do seu empregador, nem agindo com falta de responsabilidade. Os patrões, por sua vez, devem respeitar os direitos trabalhistas, há patrões que tratam muito mal seus empregados. Deus julgará a injustiça daqueles que administram gananciosamente seus recursos, privando os servos do pagamento necessário (Tg. 5.4). Existem leis trabalhistas que regem as relações patrão e empregado, e essas devem ser respeitadas pelos cristãos, para que sirvam de exemplo para a sociedade. Por outro lado, os empregados cristãos devem fazer todo o possível para não levar seus patrões também cristãos aos tribunais humanos. Paulo aconselha os crentes de Corinto, e isso se aplica também a nós, que resolvamos esse tipo de demanda internamente, sem apelas aos tribunais públicos (I Co. 6.6).

3. ALGUNS CONSELHOS
Na parte final da Epístola Paulo dá conselhos aos crentes a respeito de assuntos diversos. Inicialmente chama a atenção quanto àqueles que não respeitam a sã doutrina, que se distanciam da Palavra de Deus. Não podemos deixar de lembrar que a Bíblia foi inspirada pelo Espírito Santo (II Tm. 2.16,17; II Pe. 1.21). As igrejas genuinamente evangélicas se submetem ao testemunho fiel e verdadeiro das Escrituras, os ensinamentos são avaliados à luz desse crivo, os doutrinadores são julgados a partir daquilo que está escrito. É importante considerar esse conselho porque existem muitos mestres que estão se infiltrando nas igrejas apenas para auferir lucros dos fiéis. O obreiro de Deus, mesmo sendo sustentado pela igreja, não pode ser ganancioso, muito menos colocar o coração nas riquezas. A maior riqueza de um obreiro é a piedade (gr. eusebeia), uma vida dedicada a Deus, através de momentos de oração e meditação na Palavra. Existem muitos pastores que, por causa do desejo de ficarem ricos, estão se afastando da fé. Paulo adverte quanto ao amor ao dinheiro, ressaltando que o amor a esse é a raiz de toda espécie de males (I Tm. 6.9,10). Essa mensagem confronta diretamente a famigerada teologia da ganância, que está se infiltrando em muitas igrejas evangélicas. A espiritualidade do obreiro não deve ser identificada pelo total de bens que conseguiu acumular. De nada adianta ser rico na terra, ajuntar tesouros nos bancos, e não ser rico para Deus (Lc. 12.21). Há lideranças nas igrejas que se tornaram escravas do dinheiro, são obreiros fraudulentos que não conseguem ver outra coisa, a não ser a lã das ovelhas. Até mesmo os ricos da igreja devem ser ensinados a não colocar sua fé nos bens materiais que possuem, mas em Deus que abundantemente nos dá todas as coisas (I Tm. 6.17). Os bens não podem ser usados apenas para satisfação pessoal, devem servir também para fazer o bem ao próximo, é assim que se enriquece em boas obras (I Tm. 6.18).

CONCLUSÃO
O tesouro do cristão não está na terra, pois ele não coloca a sua fé no que tem, mas em quem Deus é (Mt. 6.19-24). Mamom é o deus deste século, e tem seu altar estabelecido no meio dos homens. O crente aprendeu a viver contente em todas as circunstâncias, e sabe tanto ter abundância quanto passar por privação (Fp. 4.13).  A piedade, demonstrada através do contentamento, é grande fonte de lucro para o cristão (I Tm. 6.6). Os obreiros desta geração não podem esquecer essa importante verdade bíblica, que está sendo deturpada por uma teologia equivocada, que busca apenas as riquezas terrenas, e que nada tem a ver com as Escrituras.

Autor: Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

BIBLIOGRAFIA
LIMA, E. R. As ordenanças de Cristo nas cartas pastorais. Rio de Janeiro: CPAD, 2015.
WILSON, G. B. As epístolas pastorais. São Paulo: PES, 1982.