sexta-feira, 15 de novembro de 2013

LIÇÃO 07 - CONTRAPONDO A ARROGÂNCIA COM A HUMILDADE - 4º TRIMESTRE/2013

CONTRAPONDO A ARROGÂNCIA COM A HUMILDADE
Texto Áureo: Pv. 16.18 – Leitura Bíblica: Pv. 8.13-21


INTRODUÇÃO
A arrogância causa muitos males ao ser humano, mas essa nem sempre é percebida, isso porque o orgulhoso não atenta para a sua condição. Por outro lado, a humildade, uma das principais virtudes cristãs, precisa ser cultivada, contrapondo a altivez de espírito. Na aula de hoje, com base no livro de Provérbios, bem como em outros textos bíblicos, faremos um estudo comparativo entre esses dois comportamentos. Ao final ressaltaremos os aspectos cristãos da humildade, personificados no próprio Cristo, o maior exemplo de serviço.

1. ARROGÂNCIA E HUMILDADE: DEFINIÇÕES
A arrogância (hb. gabahh) é caracterizada pela falta de humildade e geralmente está associada ao fato de a pessoa se mostrar indisposta para ouvir os outros. A pessoa arrogante não quer aprender com o próximo, pois pensa ser dona da verdade. Ela se coloca acima dos outros, e se orgulha das percepções que tem de si mesmo. Esse é um pecado perigoso, pois não tem limites, o arrogante pode chegar a pensar que é o próprio Deus (Ez. 28.2). Esse foi o pecado que conduziu Satanás à queda, o inimigo não quis ficar na sua posição, tentou tomar o trono do Altíssimo (Is. 14.13,14). Como fez Satanás, o arrogante não se submete às normas, na verdade ele estabelece suas próprias regras, que geralmente favorecem apenas a ele mesmo (II Ts. 2.4). Aqueles que são altivos de coração também são orgulhosos, e por não se coadunarem aos princípios divinos, se voltam em rebelião contra Ele (Pv. 24.1; Tg. 3.16). A Torre de Babel, de Gn. 11, é uma demonstração do que o homem arrogante pode fazer, revela também as consequências dessa vaidade. Esse é também um pecado de cegueira espiritual, pois a pessoa que assim procede nega-se a ver o engano no qual se encontra (Mt. 15.14; 23.16-23; Rm. 2.19; Is. 3.12; 9.16; 42.19; 56.10; Os. 4.12). Por esse motivo os arrogantes não se dobram diante da Palavra de Deus (II Tm. 3.16), não se submetem em humildade ao que Deus diz (Pv. 11.2). Os falsos mestres tendem à arrogância, presunção e orgulho (I Co. 8.1; Cl. 2.18), e não são facilmente libertos do pecado porque rejeitam o ensinamento bíblico (Hb. 10.25; II Tm. 4.3; II Jo. 10,11). A oposição à arrogância é a humildade, uma virtude extremamente necessária àqueles que professam a fé em Cristo. Ser humilde (gr. ani) é uma disposição de dependência do outro, o verbo grego tapainoô tem a ver com a condição de fazer-se pequeno, mais que isso, a de ser obediente. Jesus, em Lc. 18.14, diz que aqueles que se exaltam serão humilhados, e os humilhados serão exaltados. Ele deu o maior exemplo de humildade, esvaziando a si mesmo, assumindo a posição de servo (Fp. 2.8).

2. ARROGÂNCIA E HUMILDADE EM PROVÉRBIOS
No livro de Provérbios, a contraposição entre arrogância e humildade é um dos principais temas desse texto sapiencial. O autor de Provérbios aconselha as pessoas a não se considerarem sábias aos seus próprios olhos, antes devem confiar no Senhor (Pv. 3.5-8), considerando que Ele exalta o soberbo, e dá graça aos humildes (Pv. 3.34). A arrogância, em várias passagens, traz consequências nefastas, pois com ela vem a desonra, a humildade, por sua vez, é uma demonstração de sabedoria (Pv. 11.2). O arrogante é comparado a um tolo, já que esse não aprende, não extrai lições da vida, não recebe conselhos (Pv. 13.10). A humildade, em Provérbios, é sinônima de sabedoria, que desvia o homem do mal, a arrogância, por sua vez, faz com que as pessoas tomem decisões precipitadas (Pv. 14.16). A arrogância é um pecado grave, pois faz com que as pessoas se afastem de Deus, conduzindo-as ao julgamento (Pv. 16.5). Ao se comparar a arrogância com a humildade, vale muito mais a pena viver entre os humildes do que entre os arrogantes (Pv. 16.16-18). Os arrogantes são comumente levados à ruina, enquanto que os humildes alcançam posição de honra (Pv. 18.12; 22.4; 25.6,7). Os arrogantes fazem muita propaganda enganosa, eles falam muito bem a respeito de si mesmos, mas passam vergonha quando são testados (Pv. 25.14,27). É melhor se aproximar de um tolo do que de uma pessoa arrogante, elas são altamente tóxicas, estragam tudo e todos que se encontra por perto (Pv. 26.12). Em virtude do muito dinheiro que conseguem acumular, os ricos são propensos à arrogância, os pobres, por serem dependentes, se aproximam de Deus, e encontram a verdadeira prosperidade (Pv. 28.11,25). Os pobres, especialmente os de espírito, se voltam para Deus, reconhecem que dEle vem a purificação (Pv. 30.13). O arrogante, por sua altivez de espírito, não pode ser salvo, peca contra Deus, diz blasfêmias, caminha para a perdição (Pv. 30.12), seria melhor que ele se calasse, ou então colocasse a mão na sua boca (Pv. 30.32).

3. HUMILDADE VERSUS ARROGÂNCIA
Deus se opõe aos arrogantes, mas dá graça aos humildes, pois são estes que percebem sua condição, sua necessidade de salvação, que vem de cima, não deles mesmos (Tg. 4.6). Jesus deixou claro que não podemos fazer coisa alguma sem Ele, somos como um galho que precisa da raiz e do tronco para se desenvolver (Jo. 15.5). A humildade começa diante do próprio Deus, pois o ser humano é pequeno, somente o Senhor é grande, digno de honra, glória e louvor. Ao ouvir a Palavra de Deus, o humilde, diferentemente do arrogante, treme, e se arrepende dos seus pecados (Is. 6.5; 66.2). Ao invés de se gloriar da sua força, o humilde tem consciência da sua fraqueza, sabe que nisso consiste sua fortaleza, fundamentada na graça de Deus em Cristo (II Co. 12.9,10). Paulo precisou experimentar o sofrimento para aprender a não se gloriar nas revelações que recebeu de Deus. O espinho na carne pode ser um tratamento divino para modificar o comportamento dos arrogantes (I Co. 12.7). Mas a conversão da arrogância para a humildade não acontece apenas com palavras, é preciso que essa seja demonstrada em ações, assim procedeu Israel, ao se dobrar perante o Senhor, depois de ter seu orgulho abatido (Jz. 10.15-16). A pessoa quebrantada por Deus, e que vive em humildade, não coloca a si mesmo em primeiro lugar, antes tem consideração por aquilo que é dos outros (Fp. 2.3,4). Na visão cristã, o humilde é justamente aquele que se coloca na condição de servo, assim como fez Cristo, ao lavar os pés dos seus discípulos (Jo. 13). O próprio Senhor lembrou que aqueles que querem ser maiores, devem buscar servir aos seus irmãos, no reino de Deus é maior quem mais serve (Mc. 9.35), Jesus mesmo vem para servir, não para ser servido (Mc. 10.45). Ao invés de agirem como os arrogantes, os cristãos devem se humilhar debaixo da potente mão de Deus, a fim de serem exaltados em tempo oportuno (I Pe. 5.6).

CONCLUSÃO
O ser humano, em sua natureza pecaminosa, tem tendência à arrogância. Essa prática é naturalizada entre as pessoas, que acham normal o comportamento egoísta. Mas a Palavra de Deus, e mais especificamente o livro de Provérbios, se contrapõe àqueles que têm coração altivo, que são orgulhosos. A virtude cristã, exemplificada na própria pessoa de Cristo, é a humildade, característica que se fundamenta no interesse pelos outros. Jesus chamou a vir a Ele todos os humildes, para dEle aprenderem (Mt. 11.28). Assim procedem todos aqueles que estão na escola da humildade, não da arrogância, são pessoas que estão sempre predispostas a aprenderem, por isso alcançarão maturidade espiritual.

                                Autor: Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

BIBLIOGRAFIA
ORTLUND JR. R. C. Proverbswisdom that works. Illinois: Crossway, 2012.
WEIRSBE, W. W. Proverbs: be skillful. Colorado Springs: David Cook, 2009.

sábado, 9 de novembro de 2013

LIÇÃO 06 - O EXEMPLO PESSOAL NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS - 4º TRIMESTRE/2013

O EXEMPLO PESSOAL NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS
Texto Áureo: Pv. 20.7 – Leitura Bíblica: Pv. 4.1-4


INTRODUÇÃO
Entre os vários assuntos abordados no livro de Provérbios, a educação dos filhos ocupa lugar de destaque. Na aula de hoje mostraremos, a partir desse compêndio sapiencial, algumas orientações em relação à instrução dos filhos no temor do Senhor. Atentaremos, a princípio, à realidade do sistema educacional moderno, respaldado no relativismo e na ausência de limites. Em seguida, nos voltaremos para o valor da instrução e correção, com base em Provérbios. Ao final apresentaremos conselhos práticos para o crescimento não apenas físico, mas, sobretudo espiritual dos nossos filhos.

1. A EDUCAÇÃO NA MODERNIDADE
A educação na modernidade está fundamentada em princípios seculares, isto é, em valores que fogem aos padrões judaico-cristãos. As instituições de ensino foram tomadas pelo pensamento iluminista, a ofensiva, nesses últimos anos, está voltada para as famílias. Os pensadores educacionais se distanciaram de Deus, passaram a negar a realidade da fé, e a criticar a crença em um Criador. Como resultado, as pessoas estão cada vez mais sem esperança, voltadas para o materialismo, centradas no egocentrismo. O material didático produzido para as escolas sequer cogita a possibilidade da existência de Deus. Muitos professores, formados em universidades centradas no ateísmo, voltam-se contra a religião, afirmando que essa não passa de ópio. Nessa correnteza os valores cristãos, há muito defendidos para a família, estão sendo questionados, em favor de uma tendência culturalista. Tais pensadores incitam os pais a não repreenderem seus filhos, defendem que a ausência de limites é necessária para o desenvolvimento do caráter.  A consequência dessa realidade é a formação de uma geração inteira de jovens que não se submete a autoridade dos pais, que desrespeitam os mais velhos.  As orientações  paternas deixaram de ter valor, tudo passou a ser objeto questionamento. Qualquer atitude de censura por parte dos pais é alvo de denúncia, até mesmo uma simples repreensão. Há ainda a ausência de ideais, de modelos a serem seguidos, os filhos não tem mais em quem se espelhar. A ênfase no individualismo enseja também comportamentos dúbios, a hipocrisia generalizada, assumida como algo normal, a fim de tirar vantagem do outro. Muitos filhos estão frustrados com os pais, que dizem uma coisa, mas fazem outra totalmente diferente. Esse comportamento hipócrita adentrou até mesmo as igrejas, muitos filhos não acreditam mais na fé exposta pelos pais, que não confere com suas práticas diárias.

2. PROVÉRBIOS: UMA VISÃO EDUCACIONAL
Em oposição a essa realidade moderna, o livro de Provérbios nos apresenta uma série de orientações quanto à educação dos filhos. Para o autor desse livro a disciplina faz parte do processo de criação dos filhos. A repreensão não deve ser motivo de culpa, mas uma necessidade, um ato de amor, de alguém que considera seu filho (Pv. 3.12). A passagem anterior é citada em Hb. 13.5-11, reforçando o princípio da disciplina amorosa. Ao contrário do que defendem alguns adeptos do humanismo sem limites, a correção, quando desempenhada com amor, traz resultados. Há uma passagem bastante controvertida no livro de Provérbios, que se encontra em Pv. 13.24, na qual existe uma orientação quanto ao uso da vara. Existem diversas análises teológicas a respeito do significado desse texto. Para alguns estudiosos, não se tratava da vara para açoitar, como se costuma fazer em alguns contextos, mas para chamar a atenção. O princípio, no entanto, permanece em relação à importância da correção, contanto que essa seja com amor. Essa também precisa ser feita no tempo apropriado, pois o tipo de disciplina depende da idade, e não pode ser postergada (Pv. 19.18). Em Pv. 22.6, os pais são orientados a ensinarem a criança no caminho em que devem andar, para que não se esqueçam dele quando crescerem. Destacamos inicialmente que o exemplo é relevante, os pais precisar estar NO caminho, precisam viver o que ensinam, para inspirar os filhos. Mesmo assim, isso não é garantia de que esses não se desviaram, pois o livro de Provérbios traz princípios gerais, não verdades específicas. Evidentemente as chances de se afastarem serão menores se os pais assumirem a responsabilidade de fazerem a sua parte. Timóteo é um exemplo de um  jovem que foi instruído desde a tenra idade nas sagradas letras, produzindo frutos (II Tm. 3.15). Os filhos não são perfeitos, têm uma natureza pecaminosa, por isso carecem de repreensão (Pv. 22.15). Esse é um motivo, em alguns casos, para o uso da vara, a fim de fustigar, não para espancar, e orientá-los quanto ao caminho a ser trilhado (Pv. 23.13,14). Eli, o sacerdote, falhou nesse sentido, tratando seus filhos com liberalismo, resultando em ruina (I Sm. 3.13). Os erros precisam ser identificados e corrigidos para conduzir os filhos ao caminho da sabedoria (Pv. 29.15). Alguns filhos causam inquietação nos pais porque não foram disciplinas, não receberam a correção no tempo adequado, os pais não assumiram sua responsabilidade (Pv. 29.17).

3. ORIENTAÇÕES CRISTÃS PARA A EDUCAÇÃO DOS FILHOS
A educação dos filhos é uma tarefa complexa, para a qual os pais devem atentar, cientes das suas possibilidades e limitações. Isso porque existem diferentes tipos de pais, bem como de filhos, cada um deles com suas particularidades. Há os pais que são muito dominadores, que querem controlar todos os comportamentos dos filhos, mas isso pode resultar em amargura e revolta (Cl. 3.21). Outros os superprotegem, evitando, a qualquer custo, a frustração, cujo resultado é facilidade desses serem manipulados pelos outros quando crescerem (Pv. 13.24). Existem pais que acabam causando um excesso de dependência nos filhos, por serem possessivos e controladores, acompanham excessivamente tudo que os filhos fazem, fazendo com que esses se tornem indecisos e temerosos (Jr. 17.5). O oposto disso é a falta de cuidado em relação aos filhos, a ausência de todo e qualquer tipo de responsabilidade, que pode causar insegurança e falta de objetivos definidos no futuro (I Tm. 3.4). O ideal é que os pais busquem ensinar aos filhos a se desenvolverem, acompanhando-os, através do encorajamento sincero, resultando em confiança e sabedoria (Lc. 2.40). Várias passagens da Bíblia admoestam quanto à necessidade de tratar os filhos com respeito (Cl. 3.21), ao cultivo do diálogo produtivo (I Ts. 4.1), à identificação de comportamentos negativos (Pv. 19.18), ao encorajamento à responsabilidade (Pv. 17.5), bem como ao reconhecimento das atitudes positivas (I Ts. 5.11). A educação dos filhos passa por uma série de atitudes, tais como: disposição para ouvi-los (Tg. 1.19), manifestação de amor entre os cônjuges (Ef. 5.33), não agir com favoritismo entre os filhos (Tg. 2.1), a disposição para pedir perdão diante das falhas (Mt. 5.23,24), sabedoria para lidar com as emoções (Cl. 3.8) e disciplina amorosa, nunca fundamentada na raiva (Ap. 3.19).

CONCLUSÃO
Vivemos em uma sociedade marcada pelo secularismo, que se distancia cada vez mais dos princípios divinos. O humanismo anticristão favorece o relativismo e a ausência de regras, de limites. Diante dessa realidade, precisamos resgatar, a partir de Provérbios, e da Bíblia como um todo, orientações que oportunizem a educação consistente dos nossos filhos, a fim de que esses temam ao Senhor, e vivam de acordo com Sua palavra. Mas a educação deve se pautar também pelo exemplo, não podemos ensinar uma coisa a agir de modo diferente, isso repercute negativamente na formação dos filhos.

                                       Autor: Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

BIBLIOGRAFIA
ORTLUND JR. R. C. Proverbs: wisdom that works. Illinois: Crossway, 2012.
WEIRSBE, W. W. Proverbs: be skillful. Colorado Springs: David Cook, 2009.

sábado, 2 de novembro de 2013

LIÇÃO 05 - O CUIDADO COM AQUILO QUE FALAMOS - 4º TRIMESTRE/2013

O CUIDADO COM AQUILO QUE FALAMOS
Texto Áureo: Pv. 16.24 – Leitura Bíblica: Pv. 6.16-19; 15.1,2,23; 16.21,24


INTRODUÇÃO
No livro de Provérbios encontramos vários conselhos a respeito do uso apropriado da língua. Se as pessoas atentassem para o que diz esse texto de sabedoria, evitariam muito males decorrentes do descuido quanto ao que falam. Na aula de hoje, a fim de orientar os crentes quando aos cuidados com a língua, destacaremos alguns direcionamentos práticos, a partir de Provérbios, destacando inicialmente o uso incorreto da língua, e posteriormente, seu uso correto, e a importância do dominar a língua.

1. O USO ERRADO DA LÍNGUA
Muitos estão destruindo suas vidas por meio das palavras, do mau uso da língua. Há os que usam a língua para lisonjear, a fim de tirarem algum proveito, recorrendo a medidas desiguais (Pv. 20.17; 26;28; 28.23). Devemos ter cuidado com aqueles que se aproximam apenas por interesse, que destilam palavras de elogio, tão somente para receberem algo em troca. Tão perigoso quanto está ao redor de pessoas que apenas criticam é também se achar cercado por aqueles que somente lisonjeiam. Tome cuidado com aquelas pessoas que se aproximam sempre com palavras elogiosas, desconfie da integridade delas. A língua também serve para semear intrigas, alimentar contendas. Os néscios adoram uma briga, vivem procurando situações para debates desnecessários, a fim de produzir mais uma disputas entre os irmãos (Pv. 18.6). Além disso, essas pessoas tendem a serem descontroladas, elas se exasperam por qualquer motivo, não têm controle das emoções (Pv. 29.11). O autor de Provérbios admoesta para que se mantenha distância dessas pessoas, pois elas além de fazerem o mal para si, ainda prejudicam os outros (Pv. 22.24,25). O equilíbrio emocional é uma característica fundamental a ser exercitada. O domínio próprio é uma das virtudes do fruto do Espírito que precisa ser cultivada (Gl. 5.22). Há aqueles que não conseguem controlar a língua em relação aos seus irmãos, que não perdem a oportunidade para fofocarem, e denegrirem a imagem dos outros. O sábio adverte seus ouvintes quanto àqueles que têm lábios falsos, e que espalham calunias (Pv. 10.18). Existem pessoas nas igrejas que adoram causar dissenção entre os irmãos, deixando de atentar para o fato de que essa é uma das obras da carne (Pv. 16.28; Gl.5.20), tem gente que faz tudo para provocar uma contenda (Pv. 17.19). Isso geralmente acontece recorrendo à mentira, nada pior que lábios mentirosos, que dão falso testemunho (Pv. 6.16-19; 12.19; 14.25). O livro de Provérbios critica aqueles que falam demais, na verdade, a quantidade de erros é proporcional ao da fala. Como se costuma dizer, quem muito fala, muito erra (Pv. 10.19), por isso ter o controle da língua é uma das marcas do verdadeiro cristão (Pv. 17.27,28; Tg. 3.7).

2. O USO CORRETO DA LÍNGUA
Mas a língua pode ser usada para o bem, para dar conselhos aos mais jovens, a fim de que esses possam adquirir sabedoria (Pv. 10.31), isso porque os lábios do sábio difundem conhecimento (Pv. 15.7). Pois é ouvindo as pessoas sábias e justas que podemos crescer e adquirir maturidade. Isso se aplica também à leitura, os jovens que quiserem amadurecer devem ler bons livros, aprender com aqueles que têm experiências para repassar. A língua também serve para repreender, e quando a pessoa prudente a ouve, não se exaspera, antes extrai, das admoestações, procedimentos corretos, o insensato, por outro lado, as desconsidera (Pv. 17.10). As pessoas sábias não têm receio de receber conselhos, nem mesmo repreensões, se perceberem nessas a oportunidade para trilharem um melhor caminho. As pessoas também podem ser encorajadas através das palavras. Aqueles que são extremamente ansiosos precisam de palavras de ânimo, e por meio delas encontram motivação para irem adiante (Pv. 12.25). É intoxicante ficar perto de alguém que apenas destila palavras venenosas, e às vezes, somente deseja o mal, não tem esperança quanto ao futuro. Felizmente existem pessoas que têm o poder de curar através das palavras. Isso acontece porque o que dizem têm poder, não de forma mística, como defendem alguns adeptos da confissão positiva. A língua, quando bem usada, estimula e causa efeitos, principalmente se alicerçada na Palavra de Deus (Pv. 15.23). É edificante quando alguém recebe uma palavra no momento oportuno, especialmente em meio a uma situação adversa (Pv. 16.24). Os estudos psicológicos têm destacado a importância das palavras no processo curativo. Ouvir palavras edificantes, e até expressar os sentimentos para pessoas de confiança, tem função terapêutica. Através da língua podemos também ganhar almas para Jesus, testemunhar da Sua morte e ressurreição, falar do Seu imenso amor pela humanidade (Pv. 10.21; At. 1.8), sábio é, no livro de Provérbios, aquele que conduz pessoas ao caminho correto  (Pv. 11.30), que é o próprio Cristo (Jo.14.6).

3. COMO DOMINAR A LÍNGUA
O verbo dominar, em seu significado dicionarizado, tem a ver com controlar, mas está relacionado também a domar, domazo em grego, usado por Tiago (Tg. 3.9). No contexto dessa passagem (Tg. 3.1-10), o apóstolo destaca os estragos que uma pequena fagulha pode causar, de modo semelhante ao que a língua pode fazer. A língua tem o poder de consumir não apenas a pessoa que faz mal uso dela, mas também a todos aqueles que são por ela afetados. A imprensa de vez em quando noticia um escândalo, alguns deles sem provas cabais, que causam danos às vidas de muitas vidas. Ela é tão perigosa que pode ser comparada ao fogo do inferno, que a tudo queima (Pv. 16.27).  Os animais, até mesmo os mais selvagens, podem ser domados, mas nem sempre isso é possível com a língua. Tem gente que simplesmente não consegue controlá-la, se adianta com facilidade, não tem domínio do que diz, não pensa antes de falar. Evidentemente qualquer pessoa pode perder o controle da língua (Tg. 3.8), mas isso não é motivo para deixar de ter cuidado (Tg. 3.10). Os crentes devem ser comedidos no uso das palavras, para não destruírem a vida das pessoas, pois uma palavra dita fora do tempo não pode mais retornar. Somos conhecidos pelos frutos que produzimos, não podemos semear contendas entre os irmãos, nossas palavras devem ser certeiras, não de engano (Mt. 5.37). Ao invés de se adiantar, e falar desnecessariamente, o melhor mesmo é esperar,  ouvir mais e falar menos. Temos dois ouvidos e uma boca, portanto, ouçamos mais e falemos menos (Tg. 1.19). A língua do cristão, diferentemente daqueles que não têm compromisso com Deus, e muito menos com o próximo, deve ser usada com propósitos úteis, para o que edifica (I Pe. 3.9,10).

CONCLUSÃO
De acordo com Tiago, da mesma boca pode proceder tanto benção quanto maldição (Tg. 3.10). Como constatamos ao longo do livro de Provérbios, existe a possibilidade de usarmos a língua tanto para o bem quanto para o mal. O crente que foi salvo por Cristo, no entanto, tem como alvo a santificação, inclusive no falar (Cl. 3.8; II Tm. 2.15-17). Por esse motivo, deve ter cuidado com o que diz, lembrando, sobretudo, que todo homem dará conta no juízo das palavras que disseram (Mt. 12.36). Como cristãos, devemos seguir o conselho de Paulo a Tito: “a ninguém infamem, nem sejam contenciosos, mas moderados, mostrando toda a mansidão, para com todos os homens” (Tt. 3.2). 
   
                                 Autor: Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

BIBLIOGRAFIA
AITKEN, K. T. Proverbs. Lousiville: Westminster John Knox Press, 1986.
ORTLUND JR. R. C. Proverbs: wisdom that works. Illinois: Crossway, 2012.